Thais Pereira
Thais Pereira

Quatro livros para viajar pelo mundo

26 de março de 2018
Eu Gosto

Alguma poeta  já deve ter dito (ou não), mas ler um livros é viajar sem sair da sua cidade, do seu estado ou do seu país. Ler é descobrir o mundo, é visitar lugares próximos ou distantes, no passado, no presente e até mesmo no futuro.

Os livros não revelam apenas a trajetória das suas personagens, mas desvela um pouco (ou muito) dos lugares pelo mundo que servem de cenário para suas histórias.  Ao visitá-los, é como se fossem velhos conhecidos da gente e queremos mais e mais explorá-lo e vivenciá-lo.

Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie. (Nigéria)

Além de torcer pelo final feliz da história de amor de Ifemelu e Obinze, ler “Americanah” é conhecer (um pouco) de Lagos, na Nigéria. Cenário principal do livro, Adichie narra os problemas, mas também as belezas e as curiosidades dessa bela cidade. Tenho certeza que os leitores se surpreenderão ao viajar pelo país africano retratado pela renomada escritora nigeriana em “Americanah”.

A trilogia Millennium (Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, A Menina que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar), de Stieg Larsson (Suécia)

O jornalista e escritor Stieg Larsson morreu antes do lançamento da trilogia Millennium. Sendo assim, não pôde vivenciar o sucesso mundial da história de Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander.  Os personagens principais da trama foram, inclusive, adaptados para o cinema, em 2011. Além de Estocolmo, a ficção policial tem como cenário as cidades suecas Upsala e Sandhamn. Vale a pena visitar as ruas da capital da Suécia pelo olhar desse maravilhoso escritor sueco.

Um defeito de cor, Ana Maria Gonçalves (Bahia/Brasil)

 

Ler “Um defeito de cor” é uma viagem de volta ao passado. É visitar a cidade de Salvador, do final do século XIX. É descobrir histórias, culturas e vidas apagadas, que não existem apenas no belo olhar da escritora Ana Maria Gonçalves. Mas estão vivas nas ruas da primeira capital brasileira e fazem com que a cidade seja ainda linda.

As boas mulheres da China, Xue Xinran.

Durante a década de 1990, a jornalista Xinran entrevistou mulheres de várias regiões da China. A partir das histórias relatadas pelas chinesas, é possível viajar pelo país asiático e conhecer, pelo olhos da Xinran e suas entrevistadas, um pouco dessa cultura milenar.

Gosta de viajar pelas páginas de um livro? Compartilhe com a gente a sua obra favorita, que tenha como cenário algum pedacinho do planeta pelo olhar vivo e apaixonado da (o) sua /seu mais brilhante flha (o).

 

Leia Também
Comente com o Facebook
Deixe seu Comentário