LPM
LPM

Danças da alma: A dança Dervixe

11 de abril de 2018
Eu Vivo

A dança sempre foi para muitos povos um meio de elevação. Em outras palavras, modos de ter contato com deuses e divindades, ou mesmo com sua própria alma. Uma maneira de adoração e/ou manifestação artística. E ainda que muitas culturas pelo mundo tenham perdido suas raízes e hábitos, ainda há quem resista e traga para nós verdadeiras joias, só que em forma de espetáculos. Sem dúvida os países árabes possuem um baú repleto dessas joias, e uma delas é a Dança dos Dervixes.

Crédito: Wenchao Wang on Visualhunt.com

Quem são os Dervixes?

Há quem diga que para se entender o que não se conhece é preciso traçar um paralelo de comparação, embora não haja de fato uma comparação, com o que se conhece.

Os Dervixes são islâmicos, contudo, assim como dentro do Cristianismo há várias denominações, tradições e estilos de vida diferentes, mesmo que todos tenham a mesma base da fé, assim também acontece no Islamismo.

Aliás, entender isso é muito importante. Para ao conhecer, se dissipar preconceitos que insistem em rondar a cultura ocidental, de que são todos iguais.

No caso dos dervixes, ou dervixes rodopiantes, são uma corrente do Sufismo, que é uma filosofia mística do Islã. E a palavra dervixe quer dizer monge maometano ou muçulmano.

Os sufistas utilizam a poesia, música, dança, meditação e retiro espiritual para se conectar diretamente com Deus. E no caso dos dervixes, utilizam a dança como parte dessa conexão, em que rodopiam de braços (e coração) abertos a Deus .

Crédito: khowaga1 on VisualHunt.com

A dança da alma

Em resumo, a dança dos Dervixes se baseia na ideia de que nossa própria existência é girante. Posto que, tudo está girando em torno de algo, do macro ao micro, e a humanidade existe em função e por causa desses giros, naturais e inconscientes. Entretanto, os seres humanos possuem a mente, inteligência e racionalidade que o diferencia de todos os outros seres. E ao girar, consciente e intencionalmente, os dervixes acreditam que podem então participar e compartilhar, em harmonia, desse giro universal.

Crédito: Hossam el-Hamalawy حسام الحملاوي on Visualhunt

 

 

Leia Também
Comente com o Facebook
Deixe seu Comentário